Liberdade condicional. Pressupostos

LIBERDADE CONDICIONAL. PRESSUPOSTOS
RECURSO CRIMINAL Nº
305/13.0TXCBR-I.C1
Relator: LUÍS TEIXEIRA
Data do Acordão: 10-07-2018
Tribunal: COIMBRA (TEP)
Legislação: ART. 61.º DO CP
Sumário:

  1. A liberdade condicional é uma fase de transição entre a reclusão e a liberdade. “Foi uma finalidade específica de prevenção especial positiva ou de socialização que conformou a intenção político-criminal básica da liberdade condicional desde o seu surgimento” - Figueiredo Dias, in Direito Penal Português — As consequências Jurídicas do Crime, Aequitas, Editorial) Notícias, 1993, pág. 528.
  2. A natureza jurídica da Liberdade Condicional ou a sua concessão, não implica uma modificação da pena na sua substancialidade tratando-se tão só de uma realidade inerente à respectiva execução.
  3. Não basta o arguido afirmar que tem consciência da gravidade dos crimes que cometeu, que se mostra arrependido, que sabe o desvalor da sua conduta e que tem já capacidade para se readaptar à vida social e vontade séria de o fazer.
  4. A liberdade condicional não é um “prémio”, não se baseia exclusivamente no bom comportamento prisional ou na existência de apoio no exterior.
  5. O condenado deve demonstrar que consegue ter um comportamento adequado em meio livre, aprofundando a sua capacidade reflexiva quanto aos actos anteriormente praticados. 

Consultar texto integral

Powered by Marketing Lovers